Translate

domingo, 28 de julho de 2013

Os Dragões na Mitologia Mundial

Os Dragões na Mitologia Mundial

                  Figura representativa de Quetzalcoatl - Dração ave-serpente
Dragão tipo oriental

Arte pictórica asteca ligada ao mito do dragão do novo mundo


Arte pictórica asteca ligada ao mito do dragão do novo mundo


Arte pictória Maia ligada ao mito do dragão Meso-americano

                  arte pictórica suméria, ligado ao mito dos dragões

                       Monumento Maia -  Piramide
                   Arte Pictórica Mesopotâmica ligada ao mito do dragão

arte pictórica oriental ligada ao mipo do dragão


                                      arte pictórica ergípcia ligada ao mito do dragão












Os Dragões na Mitologia Mundial

Tipos de "dragão mitológico"

Fontes modernas têm tendência para generalizar os tipos de dragões, como se todos fizessem part de um mesmo mito, já que  nunca tenham existido como criaturas reais, no rol de espécies vivas ou já estintas catalogadas, mesmo em eventos metafisicos. Os dragões são frequentemente listados diversos em três tipos principais: dragões do tipo: Oriental, Ocidental e do Novo Mundo, os Dragons-Dragons. Cada tipo tem um esteriótipo anexado a ele, que sempre tem alguma base de verdade, porém,  nunca se aplica a toda  história. Os três tipos também pelo estereótipo tendem a ignorar a África, Oceania e Ásia Ocidental, Porem o que falta é a catalogação dos mitos ancestrais em muitas dessas regiões.
Pode se dizer que existam dragões para todos os gostos: Com calda de serpente, com calda de peixe ou de ave, com corpo antropomorfico ou polimorfico, nem todos gospem fogo. Em geral todos estão ligados ao mito da sabedoria, da força e do poder.

A abordagem do tipo três tem seus problemas, mas também é muito conhecido. Pode ser um bom ponto de partida para aprender mais sobre a diversidade dos dragões. Esta página descreve sucintamente cada um dos três tipos gerais, oferecendo sugestões sobre a forma exata, do tipo e onde encontrar informações mais detalhadas, seria no Dragon World Mythology. As imagens apresentadas são destinadas a mostrar o seu aspecto geral, e  em alguns ligados acada tipo e variedade.  



Dragões Orientais

Origem: Ásia Oriental. Possivelmente, a Ásia Ocidental.

Estereótipo Descrição: sem asas, de quatro patas dragões, com uma mais-como o corpo de serpente que suas contrapartes ocidentais. Geralmente benevolente para com os seres humanos.

Accurate Descrição: Existem, certamente, os dragões orientais que se encaixa na descrição acima. Há também aqueles que não. Alguns foram mais semelhantes (sem pernas) e cobra alada variedades são conhecidas. A idéia de benevolência dragão é um pouco exagerada. Os mitos são menos propensas a serem irracionais sobre assassinos de solteira, mas isso não significa que os dragões orientais são sempre agradáveis. Eles poderiam (e fez) usar seus poderes para causar problemas para as pessoas.
Passando um pouco mais para o oeste em países como a Índia, onde a serpente-dragão se tornar a formas mais comuns. Há mais contos também nesta área de desastres naturais provocados por dragões, como dragões engolindo rios para causar seca.

Mais Informações:
Os exemplos que se encaixam no estereótipos mais gerais são: Chi Lung Wang,
Pulmonar , e Nie Lang
Exemplos que não se encaixam no sterotype são: Pa Snake, Ying-Lung e Vitra



Dragões Ocidentais

Origem: Europa. Possivelmente África.

Descrição do estereótipo:  cospem fogo, grandes, do tipo asas de morcego, escalas e geralmente verde, com quatro pernas. Eles comem pessoas, destroem a paisagem e geralmente não são agradáveis para estar ao redor.

Descrição exata: dragões ocidentais são muito mais variado do que o esteriótipo comum.  Eles podem ser um misto de serpente, com  asas, penas, pequenos e gentil, assim como também podem ser os grandes cuspidores de fogo capaz de devorador de diversas pessoas. É possível que a razão para estes equívoco nas variações é devido a uma grande quantidade de mitologia europeia sobre o tema., muitas se mantem relativamente desconhecidos por bastante tempo. 
Os livros tendem a focalizar os dragões dos antigos gregos de outras culturas populares, ao mesmo tempo ignorando as histórias de áreas como o Mar Báltico.

O estereotipo clássico também ainda ignora a sua ligação com a água. Viver ou ser provenientes da água é muito comum nos dragões do Ocidente. Exemplos incluem Tarrasque, o worm Lambton e gargouille.

Mais Informações:
Os exemplos que se encaixam no estereótipo gerais são:

Firedrakes, Wyvern, Hydra (Bíblico)
Exemplos que não se encaixam no sterotype são:
Puk, Mlokoky Smij e Zaltys



Dragões do Mundo Novo 

Origem: América do Sul e do Norte. Possivelmente Oceania.

Generalizadas Descrição: Dragões Serpente, geralmente com asas emplumadas.


Descrição acurada: As figuras mitológicas são berm mais comuns que o estereótipo pode apresentar. Fazendo parte da galeria mitlógica de diversas culturas meso-americanas. apresentando  uma variedade de dragões Americanos. Alados como  as serpentes astecas e toltecas de origem são  carismáticos, apresentando variedade aladas como Serpentes e variedade não-alada, seja  provavelmente a mais comum, alguns dragões com os pés são conhecidos.

Mais Informações:
Os exemplos que se encaixam no sterotype gerais são:
Quetzacoatl - serpente emplumada
Exemplos que não se encaixam no sterotype são:
Piasa, Capacti, Água Serpente



Esta página é fruto da reproduções de textos sobre dragões e serpentes, relativas ao dragão mitológico. Podendo incluir canções folclóricas, as recontagens local de lendas, poemas e traduções de obras antigas. Acredita-se que estes sejam de domínio público ou aceitável para uso com o crédito. Livros de referência antiga podem não refletir o pensamento atual e descobertas, por isso deve ser visto com isso em mente...



                                    Quetzalcoatl 


Quetzalcoatl
era o produto de uma concepção alquímica. Ele foi concebido depois que sua mãe engoliu um pedaço de jade. Quetzalcoatl é uma serpente emplumada de origem tolteca.

Dragões na América do Sul - Quetzalcoatl
Doze Chaves
As Chaves Doze foram escritas por Basil Valentine (que pode ou não pode ter sido real) no século 14. Eles mostram como preparar a matéria prima para fazer a pedra filosofal. As chaves do show do Rei (ouro ordinário), e a Rainha (prata ordinário), que passam por aventuras separadas, antes de combinar. Serpentes aparecem várias vezes nas teclas. Uma das aparências é a chave em nono. Parte da chave nona mostra três serpentes: os princípios de Mercúrio, Enxofre e sal.


Dragões Europeia - Uroboros

Uroboros
Uroboros é um dragão cujo fim é seu começo ... ele infinitamente come sua própria cauda. Ele mantém as águas cósmicas sob controle, e é um símbolo da natureza cíclica do trabalho alquímico. Ele é o basilisco, a serpente alquímica. Também chamada de Ouroboros.



O antigo deus Dagon

Dagon foi uma grande deus semita do noroeste, o deus da agricultura de grãos e de acordo com as poucas fontes que falam do assunto, adorado pelos primeiros amorreus, pelo povo de Ebla, pelos povos de Ugarit e um deus principal (talvez o principal deus ) da bíblia filisteus. Seu nome aparece em hebraico como דגון (em transcrição moderna Dagon, Tiberian hebraico Dagon), em ugarítico como dgn (provavelmente vocalizado como Dagnu) e, em acádio como Dagana, Daguna geralmente renderizados em traduções de Inglês como Dagan.
Etimologia
Em ugarítico o dgn palavra também significa "grão". Da mesma forma em Dagan hebraico, o dīgan Samaritano é uma palavra arcaica para "grão", talvez esteja relacionada ao Médio hebraica e judaica aramaico palavra dgn ʾ "ser aberto" ou árabe dagn de nuvens) de chuva (. Sanchuniathon também diz Dagon significa siton, que sendo a palavra grega para "grão"). Sanchuniathon explica ainda: "E Dagon, depois que ele descobriu grãos e do arado, foi chamado Zeus Arotrios ". A palavra Arotrios significa Lavrador" , relativas à agricultura.
Outra teoria que relaciona o nome hebraico DAG / "dag" peixe é discutida em uma seção posterior deste artigo chamado deus-peixe tradição.
As fontes não-bíblicas
O deus Dagon aparece pela primeira vez nos registos existentes sobre 2500 BC no Mari textos e em pessoal amorreu nomes em que os deuses Ilu ( El ), Dagan, e Adad são especialmente comuns.
No Ebla (Tell Mardikh), de pelo menos 2300 aC , Dagan era o chefe da cidade panteão composto por cerca de 200 divindades e deu os títulos BE-DINGIR-DINGIR "Senhor dos deuses e "Bekalam" Senhor da terra. Sua consorte era conhecido apenas como 'Lady' Belatu. Ambos foram adorados em um grande complexo do templo chamado "Casa da Estrela 'E-Mul. Um quarto inteiro de Ebla e um dos seus portões foram nomeados após Dagan. Dagan é chamado de 'o orvalho da "terra ti-lu-ma-tim e Be-ka-na-na, possivelmente" Senhor dos Canaã . Ele chamou o senhor de muitas cidades: de Tuttul, Irim, Ma-Ne, Zarad, Uguash, Siwad e Sipishu.
Uma das primeiras referências interessantes para Dagan ocorre em uma carta ao Rei Zinri-Lim de Mari, BC século 18 escrita por Itur-Asduu um funcionário do tribunal de Mari e governador do Nahur (a cidade bíblica de Nacor) (ANET, p. 623 ). Relaciona-se com um sonho de um "homem de Shaka", na qual apareceu Dagan. No sonho Dagan, atribuiu o fracasso Zimri-Lim de subude o Rei dos Yaminites após falha Zimri-Lim trazer relatório de suas ações para Dagan em terqa. Dagan promete que quando Zimri-Lim fez assim: "Eu vou ter os reis da Yaminites [coo] ked em cuspir um pescador, e vou colocá-los diante de você."
Em Ugarit em torno de 1300 aC Dagon tinha um grande templo e foi listada terceiros no panteão na sequência de um deus-pai e de El, e antes Bail SAPAN (que é o deus ou Haddu Hadad / Adad). Mas nos textos mitológicos Ugaritic Dagon é mencionado apenas de passagem, como o pai do deus Hadad. De acordo com Sanchuniathon Dagon, o irmão de El / Cronos e, como ele, filho de Céu / Urano e da Terra, não era realmente o pai Hadad. Hadad foi gerado por "Céu" em uma concubina antes Céu foi castrado por seu filho El whereupon a concubina grávida foi dado a Dagon. Assim Dagon nesta versão é padrasto Hadad. Caso contrário Dagon praticamente mitologia não sobreviver.
Dagan ocasionalmente é mencionado no início sumério textos, mas torna-se proeminente apenas em acadiano inscrições mais tarde como um guerreiro e protetor poderoso, por vezes, comparado com Enlil. esposa Dagan foi em algumas fontes, o Shala goddes (também chamado como a esposa de Adad e, às vezes identificada com Ninlil). Em outros textos, é a esposa é Ishara. No prefácio de Hamurabi é lei 'código, o rei Hammurabi chama a si mesmo: "o subduer dos assentamentos ao longo do Eufrates, com a ajuda de Dagan, o seu criador ". Uma inscrição sobre uma expedição de Naram-Sin para a Montanha dos Cedros relaciona (ANET, p. 268): "Naram-Sin matou Arman e Ibla com a" arma "do Dagan deus que engrandece seu kindgon". A estela de Ashurnasirpal II (ANET, p. 558) refere-se a Ashurnasirpal como o favorito de Anu e de Dagan. Em um poema assírio Dagan aparece ao lado de Nergal e Misharu como juiz dos mortos. Um texto babilônico tarde faz dele o guarda prisional submundo dos sete filhos do Emmesharra deus.
A inscrição fenícia no sarcófago do Rei azar ʿ Eshmun de Sidon ( século 5 aC ) diz (ANET, p. 662): "Além disso, o Senhor dos Reis deu-nos Dor e Jope , as terras poderosas de Dagon, que estão na planície de Sharon , de acordo com as obras importantes que eu fiz. "
Dagon é por vezes identificada com Matsya , o peixe do avatar Krishna . Uma estátua em Keshava Templo, Somnathpur , a Índia representa isso.
Dagan foi usado às vezes em nomes reais. Dois reis da Dinastia de Isin foram Iddin-Dagan (c. 1974-1954 aC) e Ishme-Dagan (c. 1953-1935 aC). O nome do segundo desses reis foi usado mais tarde por dois Assírio reis: Ishme-Dagan I (c. 1782-1742 aC) e Ishme-Dagan II (c. 1610-1594 aC).
Dagon na Bíblia textos e comentários
No Tanakh Dagon é particularmente o deus dos filisteus com templos em Bete-Dagom na tribo de Aser ( Josué 19,27), em Gaza ( Juízes 16,23, que diz logo depois como o templo é destruído por Samson como seu último ato). Outro templo estava em Ashdod ( 1 Samuel 5,2-7, 1 Macabeus 10,83; 11,4). Houve também um segundo lugar, conhecida como Beth-Dagon na Judá (Josué 15,41). Josefo (Antiguidades 12.8.1; Guerra 1.2.3) menciona um lugar chamado Dagon acima de Jericó . Jerome menciona Caferdago entre Diospolis e Jâmnia. Há também um moderno Beit Dejan sudeste de Nablus . Alguns destes nomes pode ter a ver com o grão ao invés do deus.
O relato em 1 Samuel 5,2-7 relata como a arca de Javé é capturado pelos filisteus e levado ao templo de Dagom em Asdode. Na manhã seguinte, eles encontraram a imagem de Dagom prostrado diante da arca. Eles definem a posição vertical da imagem, mas, novamente, na manhã do dia seguinte, eles encontraram prostrado diante da arca, mas desta vez com cabeça e mãos decepadas, deitada no miptān traduzido como "limiar" ou pódio. O relato continua com as palavras enigmáticas raq Dagom Niš ar ʾ ʿ ālāyw que significa literalmente "Dagon ... só lhe restava." (A Septuaginta , Peshitta , e Targums render "tronco de Dagon" ou "corpo de Dagon", provavelmente referindo-se à parte inferior de sua imagem.) Posteriormente, somos informados de que nem os sacerdotes ou alguém já passos no miptān de Dagom em Ashdod "até hoje". O miptān palavra ocorre novamente em Sofonias 1,9, onde o Senhor declara: "no mesmo dia em que eu vai punir todos aqueles que ao longo do salto miptān, que enchem suas" casa com mestres de violência e engano. E "
Marnas
Marcus Diaconus na Vida de Porfírio de Gaza (19) escreve sobre o grande deus da Faixa de Gaza, então conhecido como Marnas ( aramaico "Nosso Senhor Marna), que era considerado o deus da chuva e invocado contra famine.He, identificaram com Zeus Krêtagenês. Isso Marnas foi linearmente descendente de Dagon é provável em todos os sentidos, e por isso é interessante notar que ele deu oráculos , que ele tinha um templo circular, onde às vezes ele era adorado pelos sacrifícios humanos, que não havia poços no circuito sagrado, e que havia também um lugar de adoração a ele a sua sede, como era habitual, lá fora, a cidade. Marmora Certos no templo, que pode não ser, aproximou-se, principalmente por mulheres, talvez possa ser conectado com o que deve ser miptān pulou e não pisou em cima.
tradição do Peixe-deus
Rashi registros de uma tradição que o nome Dagon está relacionada ao hebraico DAG / dag "peixe" e que Dagom era imaginado em forma de um peixe. David Kimhi ( século 13 ) interpretou a frase estranho que Dagon só lhe restava para dizer "apenas a forma de um peixe foi deixado", acrescentando: "Diz-se que Dagon, do seu umbigo para baixo, tinha a forma de um peixe (daí o seu nome, Dagon), e do seu umbigo para cima, a forma de um homem, como se diz, as suas duas mãos estavam cortadas. "
John Milton usa esta tradição em seu Paradise Lost Volume 1:
... Em seguida, veio uma
Quem lamentou a sério, quando a arca em cativeiro
Mutilados sua imagem bruta, cabeça e mãos lopt fora,
Em seu próprio templo, sobre o grunsel ponta,
Quando ele caiu de bruços e envergonhou os seus adoradores:
Dagon seu nome, o monstro do mar, o homem para cima
E peixe para baixo, ainda tinha seu templo alta
Criados em Azoto , temido pela costa
Da Palestina , em Gate e Ascalon ,
E Acaron e limites da fronteira de Gaza.
Vários estudiosos do século 19, como Julius Wellhausen e William Robertson Smith acreditava que essa tradição de ter sido validada a partir da eventual ocorrência de um motivo sereio encontrado na arte assírios e fenícios, incluindo moedas de Ashdod e Arvad. Parecia razoável que o deus-chefe de um povo litoral, como os filisteus podem ser tão trabalhada.
No entanto, não achados já apoiaram explicitamente a interpretação merman, embora nada realmente nega, e já não é geralmente aceite que às vezes ainda colocou por diante.
Referências e ligações externas
ANET = antigos textos do Oriente, 3 ed. com suplemento (1969). Princeton: Princeton University Press. ISBN 0691035032 .
Dagon em Etana: Enciclopédia Volume Bibilica IA-D: Dabarah - David
Feliu, Lluis (2003). Dagan O Deus da Idade do Bronze na Síria, trans. Wilfred Watson GE. Leiden: Brill Academic Publishers. ISBN 9004131582
Fleming, D. (1993). "Baal e Dagan na Síria Antiga", Zeitschrift für Assyriologie Arqueologia Vorderasiatische und 83, pp 88-98.
Matthiae, Paolo (1977):. Ebla Um Império Redescoberto:. London Hodder & Stoughton. ISBN 0340229748 .
Pettinato, Giovanni (1981) York. "The Archives of:. Ebla Nova Doubleday. ISBN 0385131526
Algumas partes do derivar acima do 1911 Encyclopædia Britannica.



Dragões aparecem em mitos, lendas e contos populares do mundo.

África é um continente de grande porte, que fazem fronteira com a Ásia ea Europa. O Oriente Médio também está incluída nesta página, que abrange partes da África e do Oriente Médio. Escolha um país ou região a partir da lista abaixo para saber mais sobre seus dragões. Cada dragão links nome a uma página sobre o dragão.

Região País
África (Geral) Área Geral
Próximo Oriente Egito
Irã (Pérsia)
Iraque (Babilônia)
Israel
África Ocidental Benin (Daomé)
Gana, Reino de
Guiné
Mali
África (Geral)
Área Gerall
Dragão do Lago

Hydra (Africano)
[ Início da página ]
Próximo Oriente

O Oriente Médio é composto de partes da Ásia Ocidental (áreas do Oriente Médio / Saudita) e África do Norte.
Egito
Apep / Apophis

Império Hitita
O império hitita cobriu boa parte da atual Síria e Turquia.
Illuyankas

Irã (Pérsia)
Ahriman

Dahak

Zohak

Iraque (Babilônia)

A área do atual Iraque está em aproximadamente o mesmo lugar na antiga Babilônia e Suméria.

Anzu

Musrussu

Ilustrando sirrushs - Ver Musrussu

Tiamat
Zu - Ver Anzu

Israel
Leviatã

Revelação do Dragão
África Ocidental
Área Geral

Bida (Geral)
Benin (Daomé)

Benin era anteriormente conhecido como Daomé ou Dahomy.

Aido Hwedo
Gana, Reino de
O Reino de Gana não deve ser confundido com Gana moderna. O Reino de Gana foi uma antiga Africano Reino, abrangendo partes da Mauritânia e do Mali moderna. Ele entrou em colapso há muito tempo. Modern Gana foi nomeado após ele, mas não está no mesmo lugar.
Ouagadou Bida-
Guiné
Isa Bere

Mali
Bida (Soninke)

Descrição:

Este dragão morava em um enorme lago na África, com uma cidade perto da margem. Todos os anos a cidade deu uma virgem ao dragão em troca da permissão para tirar água do lago por um dia. Esta água teve que ser armazenada em cisternas, para que durou todo o ano.
Eventualmente, apenas Fatouma princesa ficou para oferecer. Um príncipe chamado Hammadi entrou na cidade, e ouvir a princesa, o destino, foi para o lago e lançou seu. Quando o dragão saiu do lago para comê-la, ele a matou. Mais tarde ele se casou com a princesa.
Referências: Jan, Knappert (1991)

Descrição:

Um Hydra Africano é uma água-monstro de sete cabeças. Algumas pessoas traziam oferendas para eles, para que eles não vão parar o rio que flui. A história de uma Hydra é a seguinte:

Esta é a história da Jinde Sirinde. Quando a mãe estava grávida Jinde com ela, ela pediu ajuda a Hydra, em troca de seu filho. Cântaro de água havia sido cheio de lama. A hidra chegaram a um acordo, limpando o seu cântaro, e preenchê-lo com água para ela. Logo após isso, Jinde nasceu. Quando ela tinha idade suficiente, ela foi enviada para o rio para buscar água. Um dia a hidra chegou à praia e levou-a para ser sua esposa. Jinde lhe implorou para ser autorizado a voltar a ver seus pais pela última vez. A hidra concordou em deixá-la ir para um dia, mas que viria depois a ela se ela não retornou. Jinde foi para a casa de seus pais, mas eles não quiseram ajudá-la por medo da hidra. No final, ela foi até a casa de sua amante, que pegou sua espada e matou a Hidra, uma vez que veio para Jinde, cortando todas as sete cabeças.

Também conhecida como a Waterlord.

Referências: Jan, Knappert (1991)

Apep é a serpente egípcia das trevas (e de trovoadas, relâmpagos e furacões). Todos os dias ele tenta engolir a barca solar, o barco em que o deus do sol Rá carrega o dom Todas as manhãs Ra vence a batalha eo nascer do sol. Apep é frequentemente descrito como uma serpente gigante.
Outro nome usado variações incluem: APOP, Apopis, Apophis, Apepi e Aapep.
império Hitita, Oriente Médio
Descrição:

Illuyankas ou Illuyanka, era um dragão hitita.
Localização:

Pérsia, do Oriente Próximo


Descrição:

Ahriman é a personificação das trevas (o mal). Invadiu o céu sob a forma de um dragão. Mitra (associado ao Sol) Ahriman lutou e venceu.
Descrição:

Dahak era um dragão de três cabeças persa. Ele foi morto por Athwya
Dragões relacionados:
Zohak
Localização:

Pérsia, do Oriente Próximo
Descrição:

Zohak era um dragão que foi morto por Feridun. Este mito provavelmente tem a mesma origem Dahak.
Dragões relacionados:
Dahak

Localização:

Suméria, Oriente Médio

Descrição:

Anzu é um deus da tempestade suméria. Ele roubou os comprimidos, que estabelece as leis do Universo. O deus-sol Ninurta foi mandado para matar Anzu. Eles lutaram, e Ninurta venceu. Em versões posteriores, Ninurta e Marduk são muitas vezes trocados.
Anzu também é conhecido como Zu e Anzud. Ele é muitas vezes referida como um pássaro. Sua aparência varia de uma forma mais semelhante a uma águia pernas formam quatro com a cabeça de um gato.

Lugalbanda eo pássaro Anzu

Esta história segue as aventuras de um homem chamado Lugalbanda, como foi traduzido no texto eletrônico Corpus (Black, JA, 1998). Neste momento, Anzu era conhecido por ninho nas montanhas. Ele havia construído um ninho de madeira de zimbro e caixa. Neste ninho, querida Anzu viveu. Lugalbanda esperou Anzu para deixar o ninho e se aproximou do bebê. Ele alimentou ovelha gorda e bolos feitos com mel. O bebê dormiu, e Lugalbanda decorado o ninho e esperou.
Enquanto isso, a Anzu estava caçando touros selvagens. Anzu e sua esposa retornaram ao ninho com os touros. Anzu chamados para o bebê. Depois de vários gritos, o bebê ainda não tinha respondido. Anzu esperavam o pior, que o bebê havia sido seqüestrado. Como Anzu entrou no ninho da verdade tornou-se claro. Ele viu o bebê estabelecido e os dons definidos. Ele ligou para que ele iria recompensar quem tinha feito isso.
Lugalbanda saiu, e Anzu deu-lhe força e velocidade. Ele também informou que Lugalbanda não deve contar a ninguém sobre os dons que lhe foram dadas. A história termina, na medida do Anzu está em causa, com Lugalbanda deixando Anzu e voltar para casa.
Esta última história é particularmente interessante, como Anzu é descrita tanto como indivíduo e como espécie. Mais tarde, referências na história de falar sobre os bebês Anzu sendo abandonado. Possivelmente eles estão falando sobre o bebê que está sendo deixada sozinha enquanto sua caça pais.

Referências: JA, Black (1998)
Localização:
Babilônia, Oriente Médio

Descrição:

Este dragão é o símbolo pessoal de Marduk, deus supremo da Babilônia. Musrussu eram um tipo de dragão ao invés de um indivíduo específico. Eles aparecem em muitos lugares, mas os mais famosos são aqueles do portão de Ishtar na Babilônia. O rei Nabucodonosor ordenou a decoração das portas e na rua que conduz ao portão. leões de tijolo vitrificado, touros e dragões fizeram uma decoração impressionante. Esta rua foi utilizado para uma procissão durante Festival de Ano Novo o.

Musrussu foi originalmente traduzido como sirush sirrussu, ou ilustrando sirrushs. Este é acreditado agora para ser um erro. Aceito versões do nome incluem musrussu, mushussu mushrushu e mushhushshu.

Alguns pesquisadores sugeriram que o dragão / serpente mencionada nos apócrifos pode ter sido um dragão musrussu.
Localização:

Babilônia, Oriente Médio

Descrição:

Tiamat é um monstro babilônico. Ela é a personificação do mar e aparece no mito da criação Enuma Elish. O aparecimento de Tiamat é claro, mas há um selo babilônico mostrando uma serpente-como a criatura que pode ter sido Tiamat. Esta questão é obscurecida por uma série de imagens que estão sendo identificadas como Tiamat, que não podem ter sido ela, afinal. O Enuma Elish não descrever a sua aparição em detalhes, embora isso implica que ela tem apenas uma cabeça e que ela tinha pernas.

Enuma Elish

Tiamat vivia no caos primordial que existia antes da criação do mundo. Ela misturava com Apsu (a personificação da água doce), ea primeira geração dos deuses nasceu. Um desses deuses, Enki, matou Apsu. Tiamat queria vingar Apsu de destruir os deuses. Ela reuniu um exército de monstros. Os deuses mais velhos ficaram tão aterrorizados quando viram Tiamat, e seu exército, que aceitou a oferta do deus Marduk mais jovens. Ele se ofereceu para matar Tiamat na condição de que sua supremacia foi reconhecido. Marduk matou Tiamat na batalha e usou seu corpo para fazer o universo. Ele usou o sangue de Kingu, líder do exército de Tiamat e seu segundo marido, para tornar a humanidade.

Enuma Elish Extratos

Localização:

Israel, Médio Oriente
Descrição:

Leviatã é uma criatura que desafia o poder e habilidade dos seres humanos, de acordo com a Bíblia. Uma boa descrição dele pode ser encontrado em Jó 41. Algumas de suas características notáveis são a sua volta a ser feitos de uma linha de protetores e seus olhos brilhantes como os raios da aurora. Diz-se que respira fogo e tem fumaça saindo de seu nostils.
natureza Leviathan é uma questão de debate. É sabido que ele é uma criatura do mar grande de algum tipo. Uma baleia é uma sugestão popular, como a palavra hebraica moderna de baleia é leviatã. Outra sugestão popular é um crocodilo, que corresponde à descrição de dentes e escamas mais de perto.
A descrição fantástica em Jó 41 não combinam ordenadamente qualquer criatura real. Se os escritores originais pretende sugerir um animal de verdade ou não, o leviatã foi interpretado nos últimos tempos como um monstro marinho como dragão.
Stone Dragon Outras Páginas:
Dragão e citações bíblicas Serpente
Dragão e Cotações Apocrypha Serpente
Dragões e Serpentes na Bíblia - Ensaio


Localização:

Israel, Médio Oriente
Descrição:

Muitos dragões liderado aparecem em "Revelação" na Bíblia (especificamente o capítulo 12, versículos 3 e 4). O dragão de "Revelação" é um dragão vermelho com sete cabeças e dez chifres, representando o Diabo. Cada cabeça é usar uma coroa. A imagem das cabeças muitos dragões vestindo coroas aparece em obras de arte mais tarde, inspirado na história bíblica

Dragão e Serpente Bíblia Citações - Apocalipse 12:3-4

Localização:

África Ocidental

Descrição:

A história de Bida mostra os sinais clássicos de um mito antigo e popular. É dito em várias culturas Africano Ocidental, mas cada um reconto é ligeiramente diferente. Os nomes são semelhantes, como os amantes e da cidade. Cada história tem a mesma menina e ofereceu o salvador mesmo. Há uma diferença nos detalhes, porém, como o porquê da menina é oferecido. Esta entrada informa a versão imortalizada no grande épico do Dausi (um poema). Há outras entradas em versões da história específicas para determinadas regiões. Se você está interessado na história, certifique-se de verificar "Related Dragon 'links para as outras versões.
O poema conta a história de um rei moribundo, Dinga. Ele envia para o seu filho mais velho para dizer-lhe o segredo da realeza. O filho mais velho não quis vir. Na verdade, o único filho, que veio foi o filho mais novo, chamado Lagarre. Seu pai lhe disse para encontrar nove jarras de água, que quem lava neles se torna rei. Depois de encontrar o tambor Tabele, levá-la para o deserto do norte, e pô-lo.
Quando Lagarre fez desta cidade uma rosa para fora da areia, emoldurada pelo dragão Bida. Esta era a cidade de Wagadoo. Lagarre fez um acordo com Bida para ganhar uma entrada para a cidade. Todos os anos, uma menina seria sacrificada ao dragão, e no retorno do dragão iria vomitar de ouro sobre a cidade.
Há três gerações isso continuou, até um ano do dragão foi morto pelo amante da menina para ser sacrificado, Mamadi Sefe Dekote. Quando Bida saiu do seu lago, Mamadi corte de sua cabeça. a cabeça de Bida foi batido para a Gold Coast, que é porque o ouro é abundante lá.
Dragões relacionados:

Ouagadou Bida-

Bida (Soninke)

Referências: Jan, Knappert (1991)

Benin (Daomé)
Benin era anteriormente conhecido como Daomé ou Dahomy.

Aido Hwedo

Localização

Isa Bere viveu nas montanhas do Futa Jalom (ou Fouta Djallon), na África. Este dragão bebeu toda a água do rio Níger, causando uma grande seca. Rei do Samba foi a luta Isa Bere, tendo Tarafe, seu bardo, com ele. A batalha continuou por oito anos, utilizando-se 800 lanças. Eventualmente, o dragão foi morto por um golpe ao coração com uma espada longa, liberando as águas do Níger.
Referências: Jan, Knappert (1991)

Localização:

Reino de Gana, na África Ocidental

Descrição:

O conto de Ouagadou-Bida é dito ser o conto da queda do Reino de Gana.

Na capital do Reino de Gana havia um bosque sagrado. Um espírito da serpente viveu em uma caverna no bosque. Esta foi Ougadou-Bida, protetor das tribos dos reis de Gana. A protecção dos reis, todo o reino era protegido.
Todos os anos, uma menina seria sacrificado para a serpente. Um ano de uma garota chamada Sia foi selecionado. Seu noivo Amadou Sefedokote decidiu parar com isso matando a serpente-espírito. Escondido atrás de uma árvore, ele esperou que a serpente a sair de sua caverna.
Ele tentou matar a serpente, cortando a sua cabeça, mas a cabeça simplesmente regrew. Amadou não desistiu, e continuou cortando a cabeça da serpente só para ele crescer. Depois de sete vezes, a serpente finalmente morreu. Amadou e Sia fugido da cidade.

Sem o espírito para proteger Gana, uma seca diminuiu em todo o Reino matando plantas e animais. Diz-se que o povo de Gana tornou-se nômades, e Gana não existia mais.
Esse nome pode ser escrito de várias maneiras, incluindo-Ougadou Bida e-Wagadoo Bida.
Dragões relacionados:

Bida (Geral)

Bida (Soninke)

Referências: Chu, D. Skinner, E. (1990)

Localização:

Benin (Daomé), na África Ocidental
Descrição:

Aido Hwedo é a serpente arco-íris da mitologia Dahomey. Durante a criação do universo, Mawu foi levado pelos Aido Hwedo. Quando o mundo foi concluído, ele era muito pesado, e arriscou caia. Mawu pediu Aido Hwedo para enrolar abaixo do mundo para mantê-lo no lugar. Quando ele fez isso, fez o mar em torno dele como ele estava ficando muito quente. Aido Hwedo come barras de ferro que estão debaixo do mar. Um dia, quando estas fora executado, ele come sua própria cauda, eo mundo vai cair no mar.

Aido Hwedo também sobrevive no Suriname e crenças vodun haitiano, com o nome Aido Wedo.

Dragon e Cotações Apocrypha Serpente
Fonte cotação
Essas citações são do Inglês Nova Bíblia Apócrifos. Os Apócrifos são os livros que estavam presentes na Bíblia grega, mas foram retirados da Bíblia moderna. Isto é devido a não estarem presentes na Bíblia hebraica. Esta tradução foi publicada pela primeira vez em 1970.
Por ordem de aparição Por Espécie Por Tema

2Esdras 6:49-52
2Esdras 15:28-29
2Esdras 15:31
Sabedoria de Salomão 11:15-19

Sabedoria de Salomão 16:5-10
Eclesiastes 0:13
Eclesiástico 25:15-16
Eclesiástico 39:29-30
Eclesiástico 43:24-25
Daniel, Bel e 23-28 Snake

COBRAS / SERPENTES

Víbora
Eclesiástico 39:29-30

Outras
Sabedoria de Salomão 16:5-10
Eclesiastes 0:13
Eclesiástico 25:15-16
Daniel, Bel e 23-28 Snake


DRAGÕES
Leviatã
2Esdras 6:49-52
Outras
2Esdras 15:28-29
2Esdras 15:31

Sabedoria de Salomão 11:15-19
Eclesiástico 43:24-25
Daniel, Bel e 23-28 Snake

Cura
Sabedoria de Salomão 16:5-10

Justiça
Sabedoria de Salomão 11:15-19

Eclesiástico 39:29-30

Poder
2Esdras 15:28-29

2Esdras 15:31

Snake Encanto

Eclesiastes 0:13

Outras
2Esdras 6:49-52
Eclesiástico 25:15-16
Eclesiástico 43:24-25
Daniel, Bel e 23-28 Snake
2Esdras 6:49-52

49 Então separou duas criaturas: chamada Behemoth e Leviatã outros 50. Você coloca um deles em separado, para o sétimo lugares onde parte da água foi recolhida não era grande o suficiente para segurar os dois.-Lhe 51 Uma parte da terra que foi feita a seco no terceiro dia que você deu a Behemoth como seu território, um país das mil colinas. 52 do Leviatã que você deu a sétima parte, a água.
2Esdras 15:28-29
28 Como a visão terrível do que está vindo do oriente! 29 Hordas de dragões Saudita sally adiante com inúmeros carros e, a partir do primeiro dia do seu avanço suas assobio vai se espalhar por todo o país, para preencher todos os que ouvi-los com medo e consternação.
2Esdras 15:31

31 Mas, então, os dragões irá convocar a sua fúria natal, e vai provar mais forte.

(O trecho seguinte é clara sobre o réptil ou respirar criatura-fogo está sendo discutido. Incluem-se aqui como parece dracônico.)

Sabedoria de Salomão 11:15-19
15 No retorno para a imaginação insensata desses homens ímpios, que iludiram a adorar répteis desprovidos de razão, e meros vermes, enviaste-lhes um enxame de criaturas desprovidas de razão para castigá-los, 16 e ensinar-lhes que os instrumentos uma pecados estão o homem os instrumentos de sua punição. de 17 por mão omnipotente teu, que criou o mundo a partir de matéria sem forma, não foi sem outro recurso: 18 poderia ter soltou-lhes uma série de ursos ou leões devoradores ou feroz desconhecido monstros recém-criada, expirando explosões de fogo, ou rugindo e soltando fumaça, faíscas ou piscando terrível como o raio de seus olhos, 19 com o poder não só para exterminá-los pelas feridas que infligiu, mas por sua mera aparência para matá-los com medo.
(O 'ele' se virar para olhar para a serpente de bronze de Números na Bíblia)
Sabedoria de Salomão 16:5-10
5 Mesmo quando as serpentes ferozes e furiosos atacaram o teu povo, e as mordidas de serpentes estavam espalhando a morte, a tua raiva não continuar até o amargo fim, 6 a curto seus problemas lhes foi revelado como uma lição, e foi-lhes dado um símbolo de salvação para lembrá-los das exigências da tua lei. 7 Porque qualquer homem que se voltou para ele foi salvo, não por aquilo que ele olhava, mas por ti, o salvador de todos. 8 Neste tu forma de convencer os nossos inimigos que tu és o libertador de todo o mal. 9 Os outros homens morreram por causa da mordida de gafanhotos e moscas, e nenhuma solução foi encontrada para salvar suas vidas, porque era apenas para que sejam castigados por tais criaturas. 10 Mas os teus filhos não sucumbiram às garras de cobras, porém venenosas, porque a tua misericórdia veio em seu auxílio e os curou.
Eclesiastes 0:13
13 Quem simpatiza com um Chamer-cobra, quando ele é picado, ou com um domador de animais silvestres?
Eclesiástico 25:15-16

15 Não há veneno pior que uma cobra,

e não a raiva é pior que um inimigo.

16 Eu preferia partilhar a casa com um leão ou uma cobra

do que manter a casa com uma mulher rancorosa.
Eclesiástico 39:29-30
29 Fogo e granizo, fome e doença mortal,

todos estes foram criados para retribuição;

30 animais de rapina, escorpiões e víboras,

ea espada vingadora que destrói os ímpios.
Eclesiástico 43:24-25

24 Aqueles que navegam pelo mar contam histórias de seus perigos,

que surpreendem todos os que ouvem;

25, em que são criaturas estranhas e maravilhosas,

todos os tipos de coisas vivas e enormes monstros marinhos.
(Dragão ea serpente são intercambiáveis nessa passagem. Em outras versões do Apocrypha esta passagem é comumente chamado de "Bel eo Dragão").
Daniel, Bel e 23-28 Snake

Agora havia uma enorme serpente, que os babilônios considerado divino. 23 24 O rei disse a Daniel: "Você não pode dizer que este não é um deus vivo, adorá-lo. So '25 Daniel respondeu:" Eu vou adorar o Senhor meu Deus, porque ele é um Deus vivo. 26 Mas dá-me autoridade, sua majestade, e sem espada ou o pessoal eu vou matar a cobra. " "Eu vo-lo concederá", disse o rei

27 Então Daniel tomou breu e gordura e pêlos, cozidos juntos, e os fez em bolos, que ele colocou na boca da cobra. Quando a cobra comeu, ela estourou. Então Daniel disse: "Veja as coisas que você adora!"
28 Quando os babilônios ouviram isso, eles se reuniram em uma multidão enfurecida se opor ao rei. "O rei virou judeu!" , gritaram. "Ele tem puxado para baixo Bel, matou a cobra e colocou os sacerdotes, à espada."
Fonte cotação
Essas citações são do livro versão online da Iniciativa / Corão Alcorão. Esta versão é do Alcorão Sagrado traduzido por MH Shakir.
Por ordem de aparição Por Espécie Por Tema
Os lugares elevados 7,107
Ta Ha 20,20
Os Poetas 26,32
A formiga 27,10
As Narrativas 28,31
O Rangers 37,64-65


COBRAS / SERPENTES
Geral
Os lugares elevados 7,107

Ta Ha 20,20
Os Poetas 26,32
A formiga 27,10
As Narrativas 28,31
O Rangers 37,64-65
DRAGÕES
Nenhum

Funcionários Becomes Snake
Os lugares elevados 7,107
Ta Ha 20,20
Os Poetas 26,32
A formiga 27,10
As Narrativas 28,31
Outras
O Rangers 37,64-65
Os lugares elevados 7,107

107 Então ele jogou a sua vara, e depois olha! Era uma serpente claro.

Ta Ha 20,20

20 Então ele lançou-a para baixo, e eis! Era uma serpente em execução.
Os Poetas 26,32

32 Então ele lançou a sua vara, e eis! era uma serpente óbvio,

A formiga 27,10
10 E lançou a sua equipe. Então, quando ele viu em movimento como se fosse uma serpente, ele voltou a recuar e não voltou: Ó Moisés! não temas, certamente os apóstolos não devem temer a Minha presença;

As Narrativas 28,31
31 E dizendo: Caia você pessoal. Então, quando ele viu em movimento como se fosse uma serpente, ele voltou a recuar, e não retornou. Ó Musa! avançar e medo não, certamente você é daqueles que estão seguros;

O Rangers 37,64-65

64 Certamente é uma árvore que cresce no fundo do inferno, 65 produzem sua é como se fosse a cabeça das serpentes.

Alguns princípios básicos da Alquimia ...
Alquimia é uma mistura de filosofia e ciência, que tem sido praticada há séculos, e ainda é praticado hoje. Ele trabalha em dois níveis: o físico eo metafísico. No plano metafísico, ele funciona para purificar e transformar a humanidade. No nível físico, ele funciona para purificar e transformar metais. O primeiro passo da transformação de metais está a criar uma pedra filosofal. Esta pedra pode ser usado para transmutar metais em ouro alquímico. Quando a substância foi purificada, torna-se filosófico.

Alegoria
Alegorias descrevem as reações químicas e similares, usando símbolos. O dragão é um desses símbolos. Por exemplo, um dragão verde devorar o Sol significa que o ouro foi dissolvida em aqua regia (água real), uma mistura de ácidos nítrico e clorídrico. Além disso, o ouro provavelmente continha cobre, que transforma o ácido azul-esverdeada. (Um leão verde comer o sol pode também foi utilizado para esta representação). Esse simbolismo foi utilizada como forma de prevenir todos, mas o mais dedicado de decifrar o significado.

Caduceus
O caduceu é composto por duas serpentes entrelaçadas em torno de uma haste central. É o símbolo de Mercúrio. Este símbolo foi desenvolvido a partir do mito de Mercúrio, o mensageiro dos deuses, que interveio em uma briga entre duas serpentes. Quando ele interveio, as serpentes entrelaçadas em torno de sua varinha. Em tempos grego, o caduceu algum tivesse asas, para simbolizar a volatilidade do mercúrio. Alquimistas também chamada caótica água mercúrio, água abismal, água sylvery e Filosóficos Basilisk.

Mercúrio filosófico às vezes é representado por uma serpente, ou dragão alado.
Cinnabar é um sulfureto natural de mercúrio. Em seu estado natural, é um sólido cristalino vermelho. alquimistas chineses e árabes extraído de mercúrio a partir dele. 'Cinábrio' A palavra vem do persa para "sangue de dragão".
Nagayuna

Nagayuna é a filial indiana da alquimia. O objetivo é preservar o elixir da vida, a fim de unificar as energias do corpo. O símbolo da naga (duas serpentes entrelaçadas) é usado para representar a ligação entre a terra e os céus, ea transição do nível inferior para o superior. Este símbolo pode ser encontrado fora de templos, em tábuas de pedra (chamado de "nagahals 'ou' nagakals)


Reeditado por blogdovicente

Fontes: Ancient Dragon
Enuma Elish Extratos - Traduzido extratos de origem babilônica.
Livros e Revistas
Charles Lyell's Travels - Uma discussão sobre serpentes do mar 1849 por Charles Lyell.
Mitos e Lendas da China - Extractos de um livro de mitologia 1922 por Werner ETC.
Jornais e Periódicos
A Serpent Mound Of Ohio - Um artigo de 1890 por Frederic Ward de Putnam.
Poemas e canções folclóricas do dragão
O Dragão da Wantley (Poema) - Um poema de 1685.
Percy's Wantley Dragão - A 1765 clean) (versão.
O Worm Lambton (Folksong) - Uma canção folclórica de 1867.
Copyright © 1997-2010 Polenth Blake
Revsita das comspirações 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

blogdovicente respeita a opinião de todos, considerando os princípios éticos civilizatórios de boa convivência vigentes.
Caso o leitor apoie as opiniões manifestadas neste post e queira incentivar o Blog contribuindo com sua manutenção, clicar no botão UOL-PagSeguro